Humanidade exposta

Imagine poder ver corpos humanos inteiros e órgãos reais de pertinho! Hora do pesadelo para uns, galeria de pesquisa para outros. O que não dá pra negar é que é, no mínimo, curioso e educativo aprender sobre o que existe dentro da gente.

A exposição “O Fantástico Corpo Humano” chega pela primeira vez a Vitória com 12 corpos completos conservados há 25 anos por meio de uma técnica chamada “plastinação”. São peças do acervo particular do inventor dessa técnica, o alemão Gunther von Hagens (link em inglês).

exposicao_fantastico_corpo_humano2

Trata-se de uma das exposições deste tipo mais visitadas do planeta: quase 20 milhões de pessoas já viram os manequins humanos de von Hagens! Uau!

exposicao_fantastico_corpo_humano4

Dá pra ver em detalhes cada veia, vaso sanguíneo e artéria do sistema circulatório / Foto: João Vitor Gomes

Outras parecidas já passaram pela capital capixaba, mas essa é a única com exposição de corpos em cortes que simulam as imagens geradas por exames como a ressonância magnética, por exemplo. Outro exemplar único desse acervo é o “red man”: uma peça formada apenas pelo sistema circulatório preenchido com resinas coloridas.

DNA chinês sob os holofotes

Todos os cadáveres expostos, dos fetos aos exemplares adultos, são de chineses. Pessoas que morreram há mais de 30 anos, do outro lado do mundo. E há uma boa explicação para isso. “Foram corpos doados à ciência. A constituição da China permite que o corpo seja doado desde que ele traga algum benefício para a população”, garante o gerente da exposição no Brasil, Suderlan de Oliveira.

exposicao_fantastico_corpo_humano5

Corpos estão expostos em posições do dia-a-dia para evitar choque, segundo a organização / Foto: João Vitor Gomes

Não que o criador da técnica tenha problemas para conseguir novos cadáveres para eternizar. Segundo a Revista Superinteressante, mais de 4 mil visitantes dessa exposição já assinaram um documento com a intenção de doar seus corpos para que sejam “plastinados”.

exposicao_fantastico_corpo_humano3

Suderlan de Oliveira gerencia a atração Brasil afora / Foto: João Vitor Gomes

Na saúde e na doença

Além dos corpos inteiros, há cerca de 150 órgãos, alguns sadios, outros doentes. Entre os objetivos da exposição está o de conscientizar as pessoas sobre o poder destrutivo de certas substâncias nessas estruturas. Um pulmão de fumante e um fígado com cirrose hepática provocada pelo abuso de bebidas alcoólicas são exemplos disso na exposição.

Há o intuito de alertar quanto a certas doenças. Cabe a cada pessoa conhecer melhor o próprio corpo e assim cuidar melhor dele”, explica o gerente da exposição no Brasil, Suderlan de Oliveira.

Por meio de processo seletivo, alunos de cursos superiores ligados à área da saúde, como enfermagem, ficam a postos na galeria para tirar qualquer dúvida do público.

giphy

Os estudantes de enfermagem Cristielli e Valdiclei ganharam novos amiguinhos… / Gif: João Vitor Gomes, Heytor Gonçalves e Ramon Luz

“A primeira coisa que as pessoas perguntam é se é real”, revela a aluna do 5º período de enfermagem, Cristielli Rosa Silva. “Está sendo uma experiência ótima, porque, assim como estamos tirando as dúvidas, também estamos aprendendo muito. É uma via de mão dupla”, completa.

Escolas de várias partes do estado trazem seus alunos às galerias para aulas práticas sobre anatomia. “Somos de Piúma e não temos laboratórios em nossa escola”, explica a professora de ciências e biologia, Mara Lúcia Holdefer. Ela trouxe estudantes do 8º ano do Ensino Fundamental e do 2º ano do Ensino Médio da Escola Estadual Filomena Quitiba.

Está maravilhoso. Um dia incrível! Pensamos nessa viagem pra eles conhecerem e se apaixonarem pelo corpo humano, que é o conteúdo que a gente está trabalhando em sala. Acho maravilhoso porque a gente volta ao tempo da faculdade também, relembrando os órgãos e os sistemas todos. Ainda mais com a ajuda dos monitores universitários”, conta Mara.

exposicao_fantastico_corpo_humano1

Foto: João Vitor Gomes

Como assim, “plastinação”?

A técnica criada pelo alemão Gunther von Hagens para conservar cadáveres é famosa por ser uma das mais eficientes.

Primeiro são retiradas toda a pele e a gordura do corpo e ele é banhado em acetona 100%. A substância desidrata as fibras dos órgãos e músculos e drena os fluidos corporais, eliminando as chances de as peças terem algum cheiro. Neste ponto, o corpo é mergulhado em polímero de silicone e, em seguida, vai para uma câmara a vácuo. É como se, nessa câmara, os tecidos acabassem “plastificados” à medida que o polímero penetra e envelopa as peças.

exposicao_fantastico_corpo_humano6

Foto: João Vitor Gomes

Cadê o pênis que estava aqui?

Quando a exposição “O Fantástico Corpo Humano” passava pela cidade de Córdova, região central da Argentina, em 2007, uma situação pra lá de inesperada aconteceu. Alguém arrancou e levou pra casa o pênis de um dos cadáveres! Isso mesmo que você leu.

A situação aconteceu sem deixar vestígios, facilitada pelo fato de que, naquela época, o público podia tocar os cadáveres com luvas. A partir deste episódio, o toque passou a ser totalmente proibido.

exposicao_fantastico_corpo_humano7

Peça simula imagens produzidas no exame de ressonância magnética / Foto: João Vitor Gomes

Os acervos de Ghunter

Após desenvolver a técnica, Gunther von Hagens resolveu  levar a público um grupo de corpos “plastinados” em Tóquio. Os cadáveres foram expostos deitados, em posições mais mórbidas, o que chocou a população local.

Depois da reação nada amigável dos japoneses, Gunther resolveu expor as peças em posições mais cotidianas e didáticas. Foi aí que a exposição se tornou um sucesso mundo afora. Hoje, ao todo, o alemão tem 23 acervos percorrendo o mundo e três em exposição fixa nos Estados Unidos, na Alemanha e na China.

O Espírito Santo já recebeu dois dos acervos itinerantes de Gunther, o “Human Bodies, que atualmente está em Foz do Iguaçu, e agora “O Fantástico Corpo Humano”, mais rico que o anterior.

Os corpos aqui têm uma média de 30 anos de ‘plastinados’. Esses corpos já percorreram meio mundo e estão em perfeito estado de conservação. Se você for a uma instituição de ensino, uma faculdade ou universidade que tenha cadáveres, vai ver que em um ano os corpos estão em estado bem degradado”, argumenta o gerente da exposição no Brasil.

Mais que uma galeria sobre anatomia, “O Fantástico Corpo Humano” mira uma reflexão muito antiga: O que significa ser humano? Não espere ter a resposta ao fim do passeio.

Veja mais fotos:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Serviço:
Exposição “O Fantástico Corpo Humano” em Vitória

Data: até 14 de maio
Horário: de segunda a sábado, das 14h às 21h. Domingos e feriados, das 12h às 19h
Local: 2º piso do Shopping Vitória
Classificação: livre

Entradas
De segunda a sexta: R$ 25 (meia) e R$ 50 (inteira)
Sábados, domingos e feriados: R$ 30 (meia) e R$ 60 (inteira)
*Meia-entrada válida para estudantes, professores, doadores de sangue e maiores de 60 anos
Ingressos à venda na bilheteria da exposição.

Promoções de ingressos
Ingresso especial para grupos de 3 a 5 pessoas (é preciso que ingressem juntos na exposição)
De segunda a sexta:
• 3 pessoas: R$ 75
• 4 pessoas: R$ 100
• 5 pessoas: R$ 125

Sábado, domingo e feriado:
• 3 pessoas: R$ 90
• 4 pessoas: R$ 120
• 5 pessoas: R$ 150

Pacote Grupos: R$ 20 por pessoa
Venda de ingressos especiais para grupos de no mínimo 30 pessoas. Visitas em horários diferenciados. Vendas pelos telefones (27) 4042-2939 / 99233-4875 / 99838-2759 e pelo e-mail projetoescola@lojadoshow.com.br