O que você ainda não sabe sobre os programas da TV Faesa

Aqui na Faesa o aluno do curso de Jornalismo possui várias opções para praticar a futura profissão. Os projetos do curso permitem que ele vivencie o dia-a-dia de uma redação multimídia, a prática do fotojornalismo ou que o aluno possa atuar numa TV Universitária. Já falamos da TV Faesa, a ideia aqui é conhecer os programas desenvolvidos pelos alunos.

O que você sabe sobre os programas

  • Universo Faesa: Programa que mostra as notícias e os principais acontecimentos do nosso Campus Universitário. 
  • Coleta Legal: O foco aqui é a sustentabilidade e assuntos relacionados ao meio ambiente.
  • Na garagem: Espaço destinado a música e ao lançamento de novos artistas capixabas.
  • Em Debate: A proposta é discutir um tema com a participação de dois convidados.

O que você não sabe sobre os programas

Conversamos com o coordenador da TV, o Professor William de Oliveira, que nos contou um pouco sobre o que acontece por trás das câmeras e na produção do conteúdo que chega até você por meio das redes sociais ou pela telinha da TV.

Na Garagem

O foco do programa é a música, e sua ideia é trazer novas bandas que estão se lançando no mercado, sendo que o seu formato é de apresentação de músicas e perguntas. Nessa entrevista ficamos sabendo de alguns detalhes do planejamento do Na Garagem e a produção do programa.

Faesa Digital – Qual era a ideia inicial do Na Garagem?
William de Oliveira – A ideia inicial, que permanece até hoje, é que ele seja um espaço para que os novos artistas, com dificuldade de entrar no circuito de mídias ou de produzir vídeos, possam falar e vir divulgar esse trabalho, esse é o pontapé inicial. O que não quer dizer que a gente esteja fechado para artistas que já estejam consolidados. É nisso que o Na Garagem tem 17 anos, ele é um dos programas mais antigos da TV. Nesse período, bandas que se lançaram, lá atrás, voltaram e fizemos novos programas com eles. Pode acontecer, por exemplo, de uma banda voltar aqui e a gente ter que rever um pouco do que eles fizeram para fazer um novo programa. Acontece também com alguns artistas que pretendem ou se relançar no mercado ou lançar trabalhos novos eles voltam no Na garagem, lembrando sempre que o foco do programa são bandas que estão se lançando no mercado. Mas se tem um artista famoso que quiser vir ele sempre será bem vindo.

Quais são as perguntas que são feitas as bandas ?
Primeiro, é feita uma entrevista pelos alunos, geralmente as perguntas feitas são referentes ao trabalho e a história da banda: “Como surgiu o nome?”, “Como é o trabalho deles?”, “Quais são as fontes que eles pedem?”,”Quais são os artistas que influenciam a eles?”, “Quais são os rumos dos trabalhos?”,”Como eles enveredaram por este caminho?”, enfim.

No geral, quantas perguntas são feitas para os entrevistados? E qual a quantidade de músicas tocadas em um programa?
Não existe um limite máximo, mas geralmente nós temos 4 músicas, o que permite a realização de quatro a seis perguntas. Lembrando que não é algo que tem uma regra, depende muito do bate papo, depende de como as coisas vão fluindo.

Qual a duração média do programa?
O programa tem em média de 20 a 25 minutos, a orientação que eu dou é que o tempo máximo do programa é de 25 minutos.

Quais são os locais de divulgação do Na Garagem? Existe uma proposta de transmitir ele ao vivo?
O programa é veiculado pelo nosso canal no Youtube e pelo Facebook.  E ele ainda não está sendo transmitido ao vivo, quando ele for, vai ser ou pelo Youtube ou pelo Facebook, é uma proposta que estamos pensando, mas ainda é uma ideia.

Falando sobre o cenário agora, qual o tempo de preparação do cenário? Quantas pessoas são necessárias para realizar essa tarefa?
Temos uma ajuda do estúdio, cerca de quatro a cinco pessoas ajudam a montar o cenário, e essa produção é feita no dia anterior, para que quando a banda chegue aqui já esteja tudo pronto para gravar.

Alunos dentro da própria FAESA podem se inscrever para apresentação solo ou de algum instrumento também?
Pode. O programa é aberto para todo mundo, não tem restrição. 

Universo Faesa

O programa, como o nome já diz, é um compilado semanal de notícias e acontecimentos aqui da Faesa. Vamos saber um pouco mais sobre a produção do Universo Faesa, os temas que são trabalhados e a equipe responsável pelo trabalho.

Agora eu vou falar um pouquinho do Universo Faesa. Qual a periodicidade do programa?
O programa é semanal, mas ele está passando por uma reestruturação, estamos revisitando e repensando os programas aqui da TV. Nosso foco principal é a prática dos alunos e nós trabalhamos muito com a experimentação. A ideia central do Universo Faesa é fazer com que todos os 33 cursos da instituição tenham espaço. Falamos sobre as atividades que saem da sala de aula, ações de alunos, independente de serem assunto acadêmico ou não. Por exemplo, o aluno é um atleta: nós fazemos uma matéria com ele, pois existe uma ligação com a faculdade. 

Ou seja, o dia a dia deles…
Isso. E além disso o programa abre espaço para que outros alunos venham acompanhar e possam dar sua contribuição. Nós convidamos os alunos Jornalismo para que venham aqui fazer pautas, ou acompanhar, também é um programa que permite essa fluidez por parte dos alunos do curso.

Então o jornal só envolve assuntos dentro da Faesa, vocês falam também de algo que acontece em Vitória, por exemplo?
Fazer algo fora não, porque não temos fôlego, pois tem toda uma logística para isso, porque demanda carro, uma produção maior, conseguir credenciais para entrar nos locais, acaba que a gente não tem fôlego para isso. Dessa forma nós optamos por fazer pautas nas quais a gente pode até sair da faculdade, mas, por exemplo, vem alguém aqui dar uma palestra  sobre meio ambiente, defesa dos mangues, nós acabamos cobrindo essa discussão, falando sobre o tema, vem alguém falar sobre doação de sangue, mas tudo tem que haver uma conexão com a instituição.

Qual a duração máxima permitida no programa, o máximo de integrantes?
Nós tentamos trabalhar com dois ou três integrantes e manter o programa com 10 ou 12 minutos, no máximo. porque trabalhamos com a internet, quanto menor o vídeo, mais rápido. Assim, trabalhamos com duas, três matérias, até porque não temos pique pra fazer um conteúdo maior. Sobre os integrantes, o número de pessoas envolvidas depende porque uma pauta tem dois alunos fixos e aí vamos variando as funções sobre quem faz a matéria, quem edita, quem grava.

 A narração jornalística é feita com qual propósito? Alguma vez vocês fizeram algo puxando mais para o humor?
Na verdade, a narrativa jornalística é em função dos próprios programas jornalísticos. A gente pode fazer um programa mais humorado? Pode, mas isso não traria a linguagem que o jornal normal tem, são mais as narrações dos programas que vemos, mas alinhamos isso com as matérias de audiovisual na publicidade, pra fazer outros vídeos com meio jornalístico ou que tenham viés mais comemorativo, podemos aqui e ali colocar um pouco de humor sim, mas a nossa narrativa é necessariamente jornalística.

Mais séria né?
Não necessariamente séria, mas jornalística, ou seja, a gente não tem aqui um programa de humor, não esse viés explícito, porque um bom humor, ou um humor pode ter em qualquer lugar só que não tenho necessariamente aqui, nesse viés no telejornalismo.

Em Debate

A cada Em Debate o entrevistador conduz uma discussão sobre um tema específico, geralmente são convidados especialistas para ampliar o foco do debate. Nas perguntas abaixo o Prof. William fala um pouco mais sobre o programa.

Por que o programa ficou um tempo afastado e qual o objetivo dele?
O Em Debate depende muito de duas questões: uma é da aluna, que ficou um tempo afastada e a gente tava dependendo dela para apresentar o programa e o outro são as fontes entrevistadas. Assim, para conseguir reunir todo mundo aqui é um grande problema, pois precisamos conciliar as agendas de todo mundo e nem sempre isso é possível.

Além de ser informativo, seu conteúdo é de formato de reportagem?
Ele é mais caracterizado pelo formato de entrevista, tem uma fala ou outra externa, mas o foco são as entrevistas.

Tem uma ordem de apresentação ou a pergunta é por pessoa?
O programa tem uma abertura, tem uma programação, depois é feito um intervalo no primeiro bloco, depois é retomado novamente, ela agradece a participação de todos e no final o programa se encerra. 

Qual o formato básico do programa?
Um entrevistador e duas entrevistadas.

Coleta Legal

A proposta do programa é abordar ações que estejam relacionadas com a sustentabilidade e trabalhos práticos envolvidos com esse tema.

Programas que envolvem todo o tipo de de sustentabilidade, onde fizemos perguntinhas da quantidade de pessoas que foram entrevistadas, as ideias ecológicas, de que forma os trabalhos práticos chamam a atenção, se alguma pessoa já foi pega no flagra jogando algum lixo ou cometendo algo que possa inferir em princípios sustentáveis e como eles fazem para mudar a consciência das pessoas. 

A ideia é de qualquer ideia ou princípio sustentável?
Qualquer assunto ligado a sustentabilidade. Nós fazemos qualquer tipo de matérias que envolvam a sustentabilidade.

Qual o intuito do programa?
Ele não tem a proposta de mudar a consciência das pessoas, mas tem o intuito de você pensar em várias práticas e várias lições, a gente mostra os temas e discute mais ou menos o que a gente pensa, nós não vamos além disso.

Arquivo Digital da Faesa

A TV Faesa está organizando o acervo produzido ao longo desses 18 anos, o Arquivo Digital da Faesa é uma proposta de digitalizar todos os arquivos da Faesa. Muita coisa ainda estava em VHS (quem ainda tem um videocassete em casa, hein?) e a ideia é passar isso para uma tecnologia mais atual, deixando esse conteúdo mais acessível para todos. O Prof. William falou um pouco sobre isso.

O arquivo digital é o seguinte: nós temos 18 anos. Temos grande parte do nosso conteúdo todo em vídeo, super VHS, só que ele ficava guardado, preso numa prateleira, ninguém tinha acesso a ele e então nós estamos colocando um acervo nosso lá no arquivo. Assim, se você quiser ver o primeiro jornal, o primeiro Na Garagem, qualquer mídia que não existe mais, ela vai estar disponível na internet. Hoje já fazemos isso, os novos programas produzidos já passam a ficar todos pela internet e aí todo mundo vai ter acesso.”