A origem do Natal

Com a chegada do Natal surgem também os sentimentos de solidariedade e de amor entre as pessoas. E não é à toa.  A festividade cristã traduz toda a fé na encarnação de Deus e também o seu amor pela humanidade. Apesar de todo consumismo presente na data o seu significado original ainda é presente no coração das pessoas, principalmente dos cristãos. O professor da FAESA Centro Universitário e ex-padre Vitor Rosa reforça que o Natal é uma celebração do nascimento de Jesus, filho de Deus, que é um exemplo de amor ao próximo e de caridade.

presepio-natal

Presépio representando o nascimento de Jesus Cristo

Antes dos cristãos comemorem o Natal do jeito que conhecemos, celebrava-se no Império Romano, na mesma época do ano, uma festa em homenagem ao nascimento do Sol.  O Sol era cultuado pelos antigos romanos e essa comemoração representava sua vitória sob as trevas e a escuridão. O Sol representava também a renovação e o nascimento. Com a ascensão do Cristianismo os fieis passam a comemorar nesse período uma festa de adoração ao seu próprio Deus. Vitor Rosa explica que o Natal não é a repaginação de uma festa pagã, mas a celebração de algo totalmente novo. É possível também traçar um paralelo entre o sol e Jesus. De acordo com a própria Bíblia, Jesus Cristo é o verdadeiro sol, que brilha para toda a humanidade.

 

A tradição de dar presentes nasceu dentro da própria comunidade cristã. De acordo com a história, havia um bispo que durante o período de Natal distribuía presentes para pessoas carentes, que não tinham condições de celebrar a festa. A intenção do bispo não era voltada a questão material, mas em expressar sua solidariedade às pessoas que precisavam, em demonstrar o amor de Deus.

C0cO4A6WQAITvby

Árvore com presentes para comemorar a festa de Natal

Com o passar dos séculos, a prática de dar presentes foi incorporada ao Natal, tornando-se uma de suas principais características. Da mesma forma que fez com a Páscoa, o capitalismo aproveitou essa tradição para criar uma data voltada ao consumo e ao lucro, sem se importar com a sua origem e com seu lado espiritual, que sempre foi à ênfase buscada pelo cristianismo.