Mirella Bravo Indica

Sabendo que o período de férias é próprio para o descanso dos leitores, mesmo para aqueles que viajam ou preferem curtir algumas festas, o Faesa Digital criou a coluna Quem Indica com dicas dos professores da FAESA Centro Universitário sobre um bom filme para assistir, um livro novo, uma série incrível para acompanhar e dicas sobre outros assuntos.

Pensando em sugestões para as férias, a professora Mirella Bravo é quem indica hoje. Integrante do colegiado do curso de Jornalismo da FAESA Centro Universitário, a mestre leciona as matérias de Legislação e Ética, Comunicação Organizacional I e II e Comunicação Comunitária. Além disso, é estudante de Direito aqui na Instituição e, por ter feito intercâmbio na Inglaterra, ama as produções que passam nas terras da Rainha para relembrar os tempos que ficou por lá.

Alunos do 4º período de Jornalismo com a professora Mirella Bravo

Professora Mirella Bravo à esquerda com alunos de Jornalismo em 2017 em apresentação de projeto da disciplina de Comunicação Organizacional I

Filmes

“Lion, uma jornada para casa” foi a escolha de Mirella no quesito sensibilidade. Além disso, o longa fala sobre memória, pertencimento, identidade e comunidade. Na área do Jornalismo, a professora indica “Spotlight: Segredos revelados”, “The Post” e “Frost/Nixon” (esse tem na Netflix!). Outro filme que ela lembrou foi “As sufragistas”, que trata das lutas das mulheres pelo direito do voto.

 

 

Séries

A mestre conta que tenta evitar acompanhar séries porque vicia muito fácil (quem nunca?). Mesmo assim, as preferidas dela são que envolvem investigação criminal, advogados e políticos, como Law and Order, The Fall, The Good Wife e House of Cards. Nas últimas férias, a professora assistiu também à série Victoria, que conta sobre a vida real da Rainha Victória, por gostar de seriados que remetem à realeza. Nas últimas férias, ela assistiu 13 Reasons Why e ainda se lembrou de mais duas produções: Mérli e The Newsroom.

 

 

Livros

Estudando Direito, Mirella comenta que participa há três semestres de um projeto de extensão chamado Direito e Literatura, em que os componentes leem um livro por período. Eles já leram Kafka, Shakespeare e Lima Barreto. Além desses autores, a professora indica também “A Sangue Frio”, de Truman Capote.

 

 

Música

Mirella é uma professora bem eclética: escuta desde MPB, graças à influência do marido, até as músicas mais populares do rádio. Ela utiliza o programa de streaming Spotify e recebe seleções de amigos e alunos.

Dica para a profissão

Além do básico (muita leitura, claro), a mestre indica também estudar novas línguas, viajar muito, se arriscar em novos assuntos, buscar referências e conteúdos, ir/ler/fazer/querer além do que é oferecido em sala de aula e, principalmente, não se acomodar. “Ir ao encontro presencial da fonte, olhar no olho do entrevistado, investir na escrita, ler bons jornalistas com bons textos, buscar ser único/indispensável/identificável, deixar marcas e boas memórias”, completa.

Momento histórico marcante

Para a professora, a Segunda Guerra Mundial foi muito representativa na história da humanidade, “pois as atrocidades cometidas pelos nazistas levaram a reflexões sobre limitações fundamentais”, ela diz. Ela comenta que, naquela época, foi preciso mudar a direção do olhar, erguer a cabeça e considerar os diferentes para achar um consenso a ser preservado e que torna todo mundo igual: a dignidade como qualidade inerente a toda e qualquer pessoa humana.

Inspiração para a disciplina

A inspiração de Mirella é a vontade de fazer algo novo a partir do entusiasmo dos alunos com relação aos projetos que eles desenvolvem em conjunto com a professora. Projeto este em paralelo ao estudo teórico, com foco na prática de um processo de aprendizado ativo e participativo. “Os alunos e suas ideias são as minhas maiores inspirações”, afirma.

Profissional de referência

Ao invés de citar apenas um nome no meio jornalístico, a mestre diz que a referência dela são os grandes narradores. São repórteres de texto que fizeram grandes entrevistas e trabalhos memoráveis. “Há personagens anônimos que também se tornaram grandes referências para mim na minha história de vida em várias áreas pelas quais passei. Seria injusto citar um nome. Preservo sempre a referência forte de quem me desafiou e exigiu de mim o melhor”, esclarece.