Tony Silvaneto

O encanto com o cenário estimula viajantes e turistas a conhecerem locais históricos. Um dos principais fatores para a motivação é o contato com a arquitetura. O Centro Antigo da capital do Espírito Santo revela mais de 460 anos de existência e mantém-se preservado. Relíquia da história brasileira e marco do período colonial.

O clima que o ambiente promove é o resultado da conexão entre o passado e o presente. O lugar, por exemplo, onde o Padre Anchieta ajoelhou-se para rezar causa fascínio aos visitantes. É desafiador, também, pensar no Palácio Anchieta, sede do Governo do Estado, em sua forma original: a Igreja de São Tiago.

De acordo com a Arquiteta, doutora em Planejamento Urbano e professora do IFES Eliana Kuster, a Igreja de São Tiago era virada para o largo, depois se tornou a Praça João Clímaco, de repente virou Palácio do Governo e passou por toda uma remodelação para ficar voltada para o mar. Isso é um simbólico muito importante do que foi a transição da cidade nesse momento: era pautada pela religião e, de repente, passa a ser uma cidade pautada pela política, pela República.

Invasão

Caso a caminhada turística pelas ruas do Centro Histórico de Vitória continue, a imaginação fluirá. Basta pensar no Vice-Almirante Holandês Piet Heyn, em 14 de março de 1625, invadindo a Vila de Nossa Senhora da Vitória, antigo nome da capital.

“O conhecimento não só da nossa história, mas, também, da importância dessas construções que, de alguma forma, materializam a história no espaço, é fundamental, porque não valorizamos o que não conhecemos”, explica a Arquiteta.

Heroína

Uma jovem de 21 anos chamada Maria Ortiz liderou moradores a um ataque aos invasores, utilizando paus, pedras e água fervendo. Finalizou sua audácia com um disparo de canhão que, além de abater os inimigos, chamou a atenção dos defensores da Vila.

O desfecho foi a morte de 38 militares e a fuga do Almirante após o encontro com a valente moça.

Arquitetura

O fato está gravado nos antigos livros de história do Brasil Colônia. O valor histórico aumenta quando se pode ver e tocar. No lugar da Ladeira, em 1924, foi construída uma escadaria que recebe o nome da heroína.

Hoje, a arquitetura do local não somente permite o acesso da parte baixa à parte alta da cidade, mas serve de referência e reflexão sobre a valentia do povo capixaba.

A arquitetura do Centro Histórico de Vitória é muito rica em termos de reunião de tempos históricos e de estilos diferentes. Ela dá um excelente panorama do que foi o processo evolutivo. Nesse sentido, ela afirma que a arquitetura é um testemunho do que foi o processo de ocupação e de desenvolvimento. O fato de ser concentrado na região central é bastante significativo

Arquiteta Eliana Kuster

Segue o podcast completo da entrevista com a Arquiteta, doutora em Planejamento Urbano e professora do IFES Eliana Kuster. Vale ressaltar que é de grande valia preservar a história brasileira e conhecer o Centro Histórico de Vitória.

Foto do Destaque: Tony Silvaneto

Edição: Diogo Cavalcanti

Posted by:Diogo Cavalcanti

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s