Gabriel Barros

A ação do Outubro Rosa, realizada há 10 anos pela Associação Feminina de Educação e Combate ao Câncer (Afecc), tem como objetivo conscientizar as mulheres sobre a importância do diagnóstico precoce e do tratamento do câncer de mama.

Para unir forças no combate à doença, os alunos dos cursos de Enfermagem, Odontologia, Pedagogia e Administração do Centro Universitário FAESA percorreram cerca de 80 quilômetros até uma aldeia indígena, no município de Aracruz. A parceria com a Afecc acontece desde 2014 e a cada ano o número de voluntários aumenta. Em torno de 80 estudantes participaram do projeto neste ano.

A dedicação de tantos membros à ação tem um fundamento. Conforme o levantamento divulgado pela Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), em 2015 apenas 25% das mulheres do Espírito Santo realizaram o exame de mamografia. Um número muito abaixo do recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Eles orientam que no mínimo 70% da população feminina faça o exame. Estimativas do Instituto Nacional do Câncer (Inca), órgão ligado ao Ministério da Saúde, apontam que em 2018 surgiram quase 60 mil novos casos da doença.

Com o intuito de criar um novo cenário, os alunos do curso de Enfermagem conversaram com as mulheres da aldeia indígena e destacaram a importância de realizar os exames preventivos. A coordenadora do curso de enfermagem da FAESA, Cassia Maria dos Santos Gomes, ressalta que é preciso dar as mãos para combater a doença.

Estamos no mês de outubro e nós abraçamos a luta pelo diagnóstico precoce do câncer de mama, mas também aproveitamos para orientar as mulheres sobre outras doenças

Cassia Maria dos Santos Gomes
A coordenadora do curso de Enfermagem da FAESA, Cassia Maria, relata que a união das pessoas é uma arma para combater o câncer de mama (Foto: Layla Venturim/Núcleo de Fotografia)

O estudante Jefferson Antônio Silva Souza está no segundo período do curso de Enfermagem e ficou feliz em participar da ação na aldeia indígena. Ele afirma que é gratificante a ação na aldeia, pois sai da realidade pessoal e entra em contraste com outras. “Vemos a carência da comunidade em relação ao atendimento contínuo. Por isso nós estimulamos o autocuidado e o autoconhecimento do corpo”.

Jefferson Antônio expressou a gratidão em ter sido voluntário na ação do Outubro Rosa em uma comunidade indígena (Foto: TV FAESA)

Enquanto as mulheres acompanhavam as palestras, os filhos participavam de atividades recreativas com estudantes do curso de Pedagogia. A coordenadora do curso de Pedagogia da FAESA, Elimar Ponzzo Dutra Leal, salienta que é preciso que as mulheres assimilem as informações da melhor maneira possível.

Quando falamos na saúde da mulher, pensamos em várias funções que ela assume, inclusive de ser mãe. Nosso curso está aqui para proporcionar um momento lúdico com as crianças para que as mães possam ouvir as palestras tranquilamente

Elimar Ponzzo Dutra Leal
Para a coordenadora do curso de Pedagogia da FAESA, Elimar Ponzzo Dutra Leal, as mulheres precisam assimilar corretamente as informações sobre o câncer (Foto: TV FAESA)

A ação do Outubro Rosa continuou com os alunos de Odontologia da FAESA. O grupo seguiu viagem para uma escola da região de Aracruz e prestou atendimento odontológico para as crianças da comunidade.

A aluna do 7º período do curso de Odontologia da FAESA Isabele Dias Gomes percebeu na visita o choque de realidade existente apresentado pelos diferentes costumes. Ela relata ainda a importância da iniciativa, pois os alunos podem passar para outras pessoas o conhecimento adquerido nas aulas do curso de odontologia.

A aluna do 7º período do curso de Odontologia da FAESA Isabele Dias participa pela segunda vez da ação promovida pela Afecc em parceria com cursos da FAESA (Foto: TV FAESA)

Eu já tinha participado da visita ano passado, mas foi uma experiência diferente por ser outra aldeia e uma outra escola. O contato foi diferente e foi excelente a oportunidade. É sempre bom participar de ações como essa realizada na aldeia

Isabele Dias Gomes

Gratidão

Dona Helena Pereira Coutinho ou Membira, como é conhecida na aldeia, no auge dos 80 anos, fez questão de agradecer o cuidado e o carinho que recebeu dos voluntários participantes da ação.

Gosto muito de ter vocês aqui. Eu não tenho conhecimento e por isso me agrada vê-los falando. Absorvo a experiência de vocês. Isso é muito importante para o nosso povo

Dona Helena Pereira Coutinho
Dona Helena Pereira Coutinho afirma ter percebido mudanças na aldeia com as ações realizadas (Foto: Layla Venturim/Núcleo de Fotografia)

Dona Helena, durante a vida teve uma saúde de ferro, no máximo pegava uma gripe quando os ventos mudavam. Contudo, era só tomar um chazinho, um banho de ervas e descansar um pouco que logo se recuperava. Mas, hoje, com o passar dos anos, ao caminhar pela aldeia em que vive, percebe as mudanças.

As pessoas morrem sem saber que doença têm. Eu falo para as mulheres jovens da tribo procurar um médico e cuidar da saúde

Dona Helena Pereira Coutinho

Parceria

A Associação Feminina de Combate ao Câncer (Afecc) participa há 10 anos do movimento Outubro Rosa, que visa propagar a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama, além da promoção de ações de prevenção e tratamento da doença. A Associação conta com diversos parceiros nessa missão. A assistente social Bianca Beraldi frisa a relevância do apoio a causa.

Bianca Beraldi é assistente social da Associação Feminina de Combate ao Câncer – Afecc (Foto: Layla Venturim/Núcleo de Fotografia)

Quanto mais sementinhas plantarmos, mais frutos teremos. Temos que falar dessas questões ligadas à saúde com todos, pois um passa para o outro e assim trabalhamos nessas ações

Bianca Beraldi

Outro trabalho desenvolvido durante a ação é o monitoramento do número de mulheres que precisam fazer os exames preventivos. O representante da Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) Júlio César de Moraes ressalta o trabalho nas comunidades do Estado.

Quando a gente vem no território, procuramos levantar as demandas. Essas necessidades são transformadas em políticas públicas

Júlio César de Moraes
O representante da Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) Júlio César de Moraes alertou para que mulheres acima dos 50 anos realizem o exame de mamografia (Foto: TV FAESA)

Ele ainda aproveita para lembrar da recomendação do Ministério da Saúde para que mulheres acima dos 50 anos realizem o exame de mamografia anualmente. Além de também alertar que em algumas situações, como casos de câncer na família, devem-se seguir as orientações médicas.

Edição: Andressa Alves/Núcleo de Jornalismo

Foto do Destaque: Layla Venturim/Núcleo de Fotografia

Publicado por:Andressa Alves

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s