TBT CAPIXABA – Lenda do Frade e a Freira

Karol Costa

Entre os municípios de Cachoeiro de Itapemirim e Rio Novo do Sul há um monumento natural de 683 metros de altitude que carrega em sua história uma lenda de amor. O Frade e a Freira, esculpidos em granito, eternizaram para sempre a força de um sentimento proibido.

O Monumento Natural do “Frade e a Freira” foi declarado Patrimônio Natural Cultural em 1986 (Foto: Reprodução/Iema)

Reza a lenda que, há muitos anos, um frade e uma freira semeavam a fé cristã entre os povos nativos da região sul capixaba. Tamanha era a cumplicidade de ambos, que, aos poucos, eles perceberam que o sentimento era, na verdade, amor e que estava tomando conta do coração e da alma dos dois.

Divididos entre o rigor do celibato e o fogo da paixão, Deus compadeceu-se do martírio e não os separou, nem os uniu. Ao transformá-los em uma gigantesca montanha às margens do Rio Itapemirim, Deus apenas permitiu que ficassem próximos um do outro, para sempre, frente a frente, em respeitoso ato de oração.

A influência da lenda na sociedade

Contada há mais de 400 anos, a lenda do Frade e a Freira inspirou os poetas Benjamin Silva e Paulo de Freitas. Eles escreveram dois sonetos inspirados na história. Confira:

O Frade e a Freira (Benjamin Silva)

Na atitude piedosa de quem reza

E como que num hábito embuçado,

Pôs, naquele recanto, a Natureza,

A figura de um frade recurvado.

E, sob um negro manto de tristeza,

Vê-se uma freira tímida, a seu lado,

Que vive ali rezando, com certeza,

Uma oração de amor e de pecado.

Diz a lenda — uma lenda que espalharam,

Que aqui, dentre os antigos habitantes,

Houve um frade e uma freira que se amaram.

Mas, que Deus os perdoou, lá no infinito

E eternizou o amor dos dois amantes

Nessas duas montanhas de granito.

O Frade e a Freira podem ser vistos a partir da rodovia BR-101 (Foto: Victor Sartório/Núcleo de Jornalismo do Lacos)

O Frade e a Freira (Paulo de Freitas)

Tendo nas mãos estrelas cintilantes,

as contas cintilantes de um rosário,

aqueles dois rochedos tão distantes

parece que estão lendo um breviário.

Alguns dizem que Deus os fez amantes

nestas florestas do Brasil lendário,

e, na prece, nos divinos instantes,

ei-los juntos, no mesmo santuário.

O Frade faz lembrar imenso grito

do silêncio perdido no infinito,

eterna queixa formulando a alguém.

Dizem que a Freira, quando a noite vem,

sorrindo, escuta a queixa dos amores

e as pedras trocam beijos entre flores.

Edição: Karol Costa

Imagem Destaque: Bruna Firmes/Núcleo de Publicidade do Lacos

Um comentário

  1. Gosto das matérias q a jornalista Karol Costa publica. Esses versos do Frade e a Freira são calmantes para a alma.

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s